Sejam bem-vindos, camaradas!

sábado, 8 de outubro de 2011

O abraço fraterno do Pinguim


O abraço fraterno do Pinguim

Ubuntu Linux, solidariedade, cooperação e inclusão digital no Brasil.


Camaradas,

Há muitos dias que não posto nenhum texto aqui por total preguiça e displicência, mas redimo-me agora escrevendo sobre algo pouco diferente das crônicas postadas preteritamente. Eu vou falar de pinguins!

Falar de pinguins? Sim, uma espécie de pinguim que não precisa necessariamente viver nas zonas austrais mais gélidas: o Linux!

Aproveitando o clima de celebração pelos 20 anos de sua existência, senti a necessidade de compartilhar minha experiência como usuário Linux porque não aguento mais meus amigos e conhecidos perguntando e repetindo besteiras do tipo: “Linux é feio e difícil de usar” ou me recriminando porque uso o pinguim.


Muitas pessoas só tiveram a oportunidade de ver esse sistema operacional (SO) funcionando uma única vez, quando compraram seus computadores mais baratos – pois como o sistema é gratuito,o preço final de máquinas que o utilizam pode ser substancialmente mais barato do que aquelas que rodam o Windows 7-- e logo o desinstalaram para usar a versão pirata do Windows e seus aplicativos.

Bom, para início de conversa, quando se elege comprar um computador sem sistema operacional embarcado ou com o Linux-- esses que são vendidos em grandes redes de supermercados ou lojas de departamentos--assumimos a responsabilidade de instalar um sistema que mais nos apeteça ou melhorar e aperfeiçoar aquele que acompanha a máquina.

Aí reside o problema, considerando que para baratear custos empresas como a CCE Info, por exemplo, que não vendem computadores sem sistema operacional, oferecem a pior versão de Linux possível, deliberadamente constituída para executar operações mais básicas.

Por conta disso, o mito do pinguim como alternativa de baixa qualidade e de difícil uso vai tomando corpo, levianamente. Quero vos dizer agora, que o Linux não é feio, não é difícil e faz tudo com igual eficiência que o Windows ou Mac, basta saber escolher a distribuição que se adapte melhor ao seu perfil.

Amigos, vamos deixar claro as coisas aqui: assim como existem diversas versões do Windows: XP, Vista, Seven, etc, há uma enormidade de empresas desenvolvedoras e distribuidoras de Linux que oferecem gratuitamente, ou NÃO, versões que atendem às infinitas necessidades de cada cliente. São as famosas distros.

Eu uso o Ubuntu Linux, desenvolvido pela Canonical, mas já utilizei Fedora, OpenSuse, Mandriva, Linux Mint , e suas variantes, e me sinto bastante satisfeito com a minha escolha final.

Assim como existe fanatismo religioso, esportivo e político, também há o fanatismo tecnológico. Sabemos que usuários de Mac julgam que seus produtos são melhores. Os defensores do Windows –que ,em geral, são menos devotos-- dizem que seu sistema é mais funcional e estável.Existem também os linuxistas radicais.

Apesar de ser entusiasta e usuário Ubuntu, não poderia, jamais, deixar de reconhecer os méritos do Windows Seven, que é sim um excelente sistema, mas não me atende de forma tão conveniente como o Ubuntu o faz.

Cada qual escolhe na vida uma causa a seguir, uma ideologia que se lhe apresenta mais coerente, algo que o faça sentir diferente, único e a questão do Linux, pelo menos para mim, passa por esse viés, o viés da liberdade incondicional e irrestrita.

Usar Linux pode ser, além de uma escolha conveniente e pessoal, uma escolha política, na medida em que o indivíduo, de forma consciente, decide utilizar uma plataforma aberta e democrática, por essência globalizadora, globalizante e, de fato, ferramenta legítima de inclusão digital.

Afinal, o que é o Linux?

O Linux é o núcleo ,a base, de sistemas operacionais de dezenas de distribuições, geralmente 100% gratuitas e abertas. Isso quer dizer que qualquer um pode usá-lo sem pagar pela licença, alterá-lo conforme lhe aprouver e distribuí-lo como e quando quiser, para quem melhor lhe pareça.

O sistema é identificado por um pinguim cujo nome é Tux. O Tux aparece como personagem de vários jogos e softwares nativos e sua figura mais conhecida é a que é retratado ,sentado, como se estivesse olhando para sua cara e sorrindo, desafiando-o a ser mais livre e feliz.

Existem muitas distribuições do Linux, de várias procedências e apropriadas para usos distintos. Como já disse, sou usuário do Linux Ubuntu e o utilizo absolutamente para tudo: trabalho, diversão, e muitas futilidades.

Para ser bem sincero, o Ubuntu é o meu maior passatempo ultimamente e tentar decifrá-lo, personalizá-lo é uma delícia. Perco dias e madrugadas com ele. Cada qual com sua loucura, não é mesmo?

O Ubuntu Linux, ou simplesmente Ubuntu, é um sistema esteticamente lindo, funcional e atende às minhas necessidades de uma forma muito confortável.

Eu, conforme já foi dito, não tenho absolutamente nada contra o Windows, aliás, até gosto do Seven, mas há uma série de razões que me deixam mais cômodo por aqui.

Primeiro, aqui eu não preciso me preocupar em comprar licenças tão logo uma versão nova chegue às lojas e não corro o risco de deixar minha máquina desatualizada.

Segundo, como a quantidade de usuários e a engenharia do sistema é mais robusta e segura do que a dos concorrentes, eu não me preocupo em usar antivírus.

Além disso, ele vem com tudo o que é preciso para o uso ordinário. Reconhece, na maioria esmagadora dos casos, todos os hardwaresde sua máquina e não lhe toma horas a fio instalando aquela quantidade enorme de programas antes de pôr seu computador em funcionamento.

Companheiros, não quero proselitar ninguém à causa Linux, mas aqui tudo é possível! Você gosta de assistir filmes no seu computador ou escutar seus CDs prediletos? Aqui você pode! Tem escritório, está preocupado com textos e planilhas? Sua solução é o LibreOffice, suíte de aplicativos para criação de textos, planilhas, apresentações, criação de banco de dados e desenhos.

Pode-se usar a internet para assistir vídeos no YouTube, descarregá-los ou ripá-los em MP3. Conhecer gente nos bate-papos, fazer transações bancárias com total segurança, descarregar vídeos via torrents ou compartilhar arquivos no Amule, versão open sourcedo Emule.

Há programas para tudo que você queira fazer!

Tudo que o Microsoft Office executa ele também faz, só que você não precisa pagar à parte pela licença, é uma cortesia do Ubuntu, aceite-a e desfrute! - Estou animado e parecendo marqueteiro da Canonical,agora. Risos

Eu posso usar o MSN-- num mensageiro alternativo--, Skype, gravar discos e usar toda a linha de produtos Google e Mozilla, só que de uma forma mais eficiente e rápida. Neste momento, estou escrevendo e o Ubuntu acaba de me informar que sincronizou este texto numa nuvem.

Esse cara ficou louco? Não, calma! Vou explicar: o Ubuntu oferece gratuitamente aos seus usuários um sistema de tutela preventiva de arquivos em seus servidores. Enquanto você está escrevendo, salvando músicas ou fotografias, ele vai sincronizando seus arquivos em uma pasta na internet, nas nuvens , como se convencionou chamar. É o tal do Cloud Computing!


Este serviço é oferecido gratuitamente por um aplicativo chamado Ubuntu One. O usuário tem até 5 GB para salvar seus arquivos nos servidores da Canonical, sem custo algum.

Caso você necessite de mais espaço poderá comprá-lo conforme suas necessidades. Vamos combinar que 5 GB é um tamanho razoável e o melhor é que depois que se autoriza o serviço, é só relaxar e aproveitar a benesse.

A caminhada do Pinguim

Se você chegou até essa parte do texto é bom que saiba ou relembre de algo importante: eu não sou analista de sistemas nem desenvolvedor de software, sou apenas um jornalista blogueiro e usuário do Ubuntu Linux, portanto o que está registrado aqui são só impressões construídas através dos anos e não o reflexo de um estudo técnico e nem tem pretensão de sê-lo.

Sou um usuário final do sistema falando para outros. Em resumo, seria uma conversa de comadres hi-tech.

Vamos lá: a primeira versão do Linux foi oferecida aos usuários em 1991 pelo finlandês Linus Torvalds, então estudante de engenharia de sistemas que, na verdade, só se constituía do Kernel, ou núcleo básico do sistema, a base para que engenheiros e programadores desenvolvessem softwares e aplicações que rodassem a partir do núcleo central que tem seu código completamente aberto para essas finalidades.

Isso quer dizer, de uma maneira muitíssimo rasa, que Torvalds possibilitou ao mundo da informática ,em 1991, uma espécie de “loteamento com infraestrutura básica para moradia” ou uma “laje pronta, esperando pela suspensão de suas paredes”.

A partir dessa base foi possível desenvolver as primeiras versões de um sistema operacional constituído, naquela época, ainda em linha de comando.

Calcula-se, segundo dados das organizações Linux Counter e Distro Watch , que aproximadamente, 30 milhões de máquinas rodem distribuições de Linux no mundo inteiro.

Eu observei que muitas publicações sobre o tema aplicam este dado ao número de usuários e não ao número de máquinas, erroneamente. Levando-se em consideração os dados estatísticos divulgados pelas instituições citadas, o número de usuários pode ser exponencialmente maior.

Lembremo-nos que um computador , na maioria dos casos, é compartilhado por muitas pessoas, por uma família e, por conta disso, o número de linuxistaspode chegar tranquilamente aos 50 milhões de almas.

Ainda, segundo dados apurados ,das fontes já citadas, o Brasil ocupa o quarto lugar em número de máquinas registradas e , portanto, de usuários. Estariam na nossa frente Estados Unidos, Alemanha e Itália. Lembrando que esses dados são apenas demonstrativos de máquinas registradas, assim sendo, a estatística mais razoável pode estar equivocada e o número real ser radicalmente mais inflado.


Linux é que nem SUS, muita gente usa e não sabe!

Eu trabalhei alguns anos como jornalista para determinados departamentos do Ministério da Saúde ,em Brasília, e aprendi que todos nós somos usuários do Sistema Único de Saúde, quer você goste ou não.

Não vou me ater a esta reflexão agora ,da forma devida e adequada, porque não tem relevância para esta postagem. A analogia é a seguinte: mesmo que você possua qualquer convênio, e diga que nunca foi a um hospital público, caso seja acometido de qualquer desgraça em via pública será encaminhado para um hospital da rede conveniada . Rico, pobre, miserável, tropeçou na rua, estava sozinho, bateu a cabeça e teve um piripaque, vai para o SUS e sem susto!

A menos que você tenha importado ,ilegalmente, seus medicamentos, caso você tenha tomado um remédio para dor de cabeça agora ou há minutos atrás, porque já estava cansado de ler um texto tão grande, pode adivinhar quem o teria liberado? Terá sido o Bradesco Saúde, Golden Cross, Sul-América, Unimed? Não! Foi a Anvisa,que é SUS!


Então, você está louco por aquele Smart Phoneque usa Android, não é? Mas é nem imagina que ele foi desenvolvido pelo Google tendo como base o Kernel do Linux. Se você for cliente do Banco do Brasil,pode não saber, mais os caixas automáticos mais rápidos rodam com uma versão do pinguim.



Quer mais? Você adora viajar e ,antes de pôr a mochila nas costas, gosta de verificar os mapas do Google Maps ou desfrutar da tecnologia que o Google Earth disponibiliza, deslumbrado ? Pois é, segundo informações de imprensa especializada, eles usam Ubuntu para isso. Faz compras em grandes cadeias de supermercados? Adivinhe quem gerencia a rede de computadores, quem é o servidor? Não vou responder! Cansei!

Votou em Dilma? Saiba que ela usou o Ubuntu Linux para construir e alimentar seu blog na campanha presidencial.

Instalar Sistema Operacional não é o mesmo que instalar geladeira e fogão!

Há muitas ocasiões na vida em que é importantíssimo mudar e muitas pessoas não sabem fazem isso de uma forma menos traumática ,pois simplesmente não se preparam para intercambiar rotinas e procedimentos.

Quantas pessoas lêem manuais de instruções antes de usar seus produtos? Quantas? Pois é, mudanças exigem preparo, o mínimo possível, leitura e adaptação.

Àqueles que pensam, sendo bastante sincero, que irão mudar de SO e vão continuar numa cópia do Windows estão redondamente enganados.

Supondo que seu chefe determine que ,a partir do dia tal, que todos os computadores de sua empresa operarão com Ubuntu e você deve se adaptar. O que fazer? Pensando nisso, muitas distribuições Linux oferecem os “Live CDs”para que você possa prová-las sem que tenha que instalá-las.

É muito fácil testar! Descarregue a distribuição que você queira em “Live Cd”, ponha o disco no computador e solicite seu reinício a partir da mídia inserida. Sua máquina vai demorar alguns minutos reconhecendo os periféricos e hardwares do PC e, em seguida, iniciará tal qual à moda padrão da distro escolhida.

Experimente à vontade ,escreva, teste os equipamentos agregados ao computador e se são compatíveis com o SO visitante.

Importante! Dona Maria, Seu João, instalar sistema operacional não é a mesma coisa que ligar a geladeira e enchê-la de suprimentos e esperar que os resfrie. Não é isso! Aconselho de forma enfática que peça auxílio neste momento.

Existem duas possibilidades quando se instala um SO novo. Três, especificamente, no caso do Ubuntu!

A primeira delas é facílima e prática. Caso tenha gostado do que provou, insira o CD ou DVD, se este for o caso, e solicite a instalação usando todo o Hard Disk (HD) de sua máquina. O computador apagará todo o conteúdo antigo, todo mesmo, e seguirá sozinho executando os processos de instalação.

De quando em vez, ele solicitará que você insira algumas informações, como senha e padrão horário, por exemplo. Finalizada a instalação, reinicie-o e está pronto para usar.

A segunda forma não é tão simples! A depender da distribuição, pode ser complicado mesmo! Esta opção é a que você, divide o HD e se lhe permite usar quantas partições suportar, e nelas instalar o que quiser. É aqui que você opta por instalar o Ubuntu ao lado do Windows. Neste caso, a escolha do SO é feita ao iniciar seu terminal.

A terceira via, especificamente para o Ubuntu, é instalá-lo como se fosse um programa executável, dentro do próprio Windows. Este padrão é chamado de Wubi. É fácil, prático, mas, contrariando algumas informações divulgadas, seu funcionamento não tem o mesmo rendimento e eficiência tendo como base as instalações limpas.

Eu desconheço a existência da possibilidade semelhante ao Wubipara outras distribuições Linux. Sei que isso é possível no Ubuntu e Kubuntu.

O Ubuntu e a inclusão digital no Brasil

O Brasil, segundo aqueles indicadores citados acima, representa quase 6% dos usurários do Linux no planeta e esse número pode ser muito maior. Há demanda para isso e ela é solenemente ignorada.

Se cada computador novo viesse com uma versão digna de Linux, como o Ubuntu, ao invés daquela lixaria ineficiente e mal-acabada que denigre a imagem do pinguim, talvez o número de adesões--de clientes que mantivessem seus computadores do jeito que vieram de fábrica--fosse muito maior.

Esses dados são imensuráveis, não há como precisá-los, só nos resta aceitar estatísticas vagas e especular sobre os números.

O fato é que o potencial por aqui é enorme. Numa população de quase 200 milhões de pessoas, as vendas de computadores aumentam dia a dia e uma fatia gigantesca de clientes está comprando seus primeiros computadores agora. Favorecendo mais este quadro, uma parcela significativa de máquinas de mesa e portáteis são vendidas com software livre embarcado.

O Ubuntu nasceu e está pronto para isso! Ubuntu, em Zulu eXhosa, línguas da família bantu, faladas na África do Sul, pode ser traduzido, segundo a própria Canonical, como um ser só é um ser, através de outros” ou ainda “humanidade para com os outros" e mais “a crença no compartilhamento que conecta toda a humanidade". As duas últimas acepções são traduções livres que eu retirei da Wikipédia.

Eu estive na África do Sul para estudar, e uma das primeiras coisas que perguntei a duas amigas Zulu foi o que era a filosofia Ubuntu. Elas tentaram explicar da melhor forma possível e eu ,absurdamente, entendi à moda dos três mosqueteiros: um por todos e todos por um! Risos.

Todas as acepções, grosso modo,estão corretas, inclusive a minha!

Cooperação,irmandade,união, solidariedade, altruísmo. Quantos outros substantivos mais eu poderia encontrar para  definir o espírito da comunidade Ubuntu? Camarada, caso decida experimentá-lo, não tenha medo e esteja certo que um mar de pessoas estará disposto a ajudá-lo.

Eu não quero puxar a sardinha para o bico do pinguim mas o tesouro do Ubuntu é sua comunidade de usuários, gente boa que ajuda de graça, sem interesse. Sou grato ao Fórum do Ubuntu Brasilpelas incontáveis vezes que recorri a eles e fui carinhosamente atendido. O Fórum de discussões Ubuntu Brasil é uma fonte inesgotável de auxílio técnico e doação.  Vale destacar o honroso trabalho de apoio técnico oferecido pelos sítios Planeta Ubuntu Brasil ,Ubuntu Dicas e Ubuntued.

Aprendi muito sobre Linux com esse povo, mas aprendi bem mais do que meros detalhes técnicos de instalação ou desinstalação de programas. Aprendi que se doar sem esperar nada em troca, ajudar a quem você nem menos viu a face é uma verdade no mundo Linux.

Sabe por que isso seria impossível nos mundos Mac e Windows? Porque a filosofia que eles abraçam está em total desacordo com a do Linux. Perfis de empresas e de usuários diametralmente distintos.

Eu uso Ubuntu por escolha filosófica, porque ele é bom mesmo e porque me desafia, não é porque não tenha dinheiro para comprar licença do Windows ou uma máquina fashion da Apple. E assevero que esta realidade se repete em boa parte desses milhões de usuários mundo afora.

Legítima é a inclusão digital que se dá pelo norte da solidariedade e cooperação, como acontece notadamente com o Ubuntu.

Reitero aqui que este texto é reflexo de observações pessoais. Não tenho legitimidade técnica para escrever profundamente sobre informática, portanto, observe, veja, avalie e tire suas próprias conclusões.

Sócrates Bastos
Jornalista DRT/BA 2180

Experimente a última versão do Ubuntu! Clique aqui para descarregá-la.

*Todas as ilustrações desta postagem não são de minha autoria, foram retiradas da Internet.